O material exposto foi desenvolvido por Josana Camilo e é parte do conteúdo da apostila dos cursos de astrologia ministrados pela autora.

Aspectos

Classificação dos aspectos

Os aspectos são classificados primeiramente em dois grupos denominados 'aspectos maiores’ e ’aspectos menores’.

Os chamados ‘aspectos maiores’ são os cinco aspectos considerados por Ptolomeu; resultantes da divisão da eclíptica por 2 e por 3, são os mais importantes porque produzem dinâmicas mais fortes e objetivamente observáveis. Já os ‘aspectos menores’ foram introduzidos posteriormente, por Kepler (1571 - 1630), que julgou importantes outras relações provenientes das divisões da eclíptica por 5, 7 e 9. Embora a tradição astrológica não leve em consideração os aspectos menores, a astrologia moderna tem espaço para suas interpretações e, ainda que não sejam largamente utilizados, merecem mais estudo e aprofundamento.

 

Aspectos Maiores ou Aspectos Ptolomaicos

 Conjunção - os planetas se encontram a uma distância de 0º

 Sextil - os plenetas se encontram a uma distância angular de 60 º

 Quadratura - os plenetas se encontram a uma distância angular de 90 º

 Trígono - os plenetas se encontram a uma distância angular de 120 º

 Oposição - os plenetas se encontram a uma distância angular de 180 º

 

Aspectos Menores

Paralelo - os planetas se encontram a uma distância (de declinação) de 0º

Contraparalelo - os planetas se encontram a uma distância (de declinação) de 0º

Semissextil - os plenetas se encontram a uma distância angular de 30 º

Semiquintil - os plenetas se encontram a uma distância angular de 36 º

Semiquadratura - os plenetas se encontram a uma distância angular de 45 º

Quintil - os plenetas se encontram a uma distância angular de 72 º

Sesquiquadratura - os plenetas se encontram a uma distância angular de 135 º

Biquintil - os plenetas se encontram a uma distância angular de 144 º

Quincúncio - os plenetas se encontram a uma distância angular de 150 º

Os aspectos também são classificados em conformidade ao tipo de dinâmica (que pode ser positiva ou negativa) resultante da combinação dos planetas envolvidos; são chamados pela ‘tradição’ de aspectos benéficos e de aspectos maléficos ou de fáceis e desafiadores , respectivamente, pela astrologia moderna.

Outra classificação importante, pois determina a força do aspecto, tem relação com a ‘formação’ do aspecto - um aspecto pode ser aplicativo (quando o planeta mais rápido começa a se aproximar do mais lento formando o aspecto), exato (ou partil) quando os dois planetas se encontram no mesmo grau e separativo (quando o planeta mais rápido, depois de ter formado o aspecto exato, começa a se afastar do planeta mais lento). No aspecto aplicativo a energia vai ‘crescendo’ à medida em que se aproxima do outro planeta - é um aspecto forte; no exato há o ponto máximo de força entre os planetas e no separativo a força vai diminuindo pois o aspecto extato já aconteceu, sendo assim o mais fraco.

Existe, portanto, uma ‘orbe’ de tolerância para cada tipo de aspecto dado que a influência do aspecto já se faz observar antes mesmo do momento em que fica exato.

 

Tabela com os aspectos:

* Os paralelos e contraparalelos serão abordados ao final da apostila.

 

A elasticidade decorrente da utilização das orbes produz um fenômeno encontrado em alguns mapas chamado de ‘aspecto dissociado’.

O aspecto é dito ‘dissociado’ quando os planetas envolvidos estão situados em signos/elementos que não têm relação com a natureza essencial do aspecto em questão e, nesse caso, terá um efeito mais fraco do que o proposto.

Um trígono dissociado não será tão benéfico ou fácil, pois os planetas se encontram em elementos incompatíveis e, por isso mesmo, não terão uma boa integração. Da mesma forma uma quadratura dissociada não será tão maléfica ou desafiadora, pois os planetas se encotram em elementos compatíveis, permitindo assim mais fluidez e integração, algo totalmente fora do padrão normal de uma quadratura.

* Conjunção - os planetas envolvidos se encontram no mesmo signo, portanto no mesmo no mesmo elemento.

* Sextil - os planetas envolvidos se encontram em signos de elementos compatíveis: fogo/ar ou terra/água.

* Quadratura - os planetas envolvidos se encontram em signos de elementos incompatíveis: fogo/terra, fogo/água, ar/terra ou ar/água.

* Trígono - os planetas envolvidos se encontram em signos da mesma triplicidade, ou seja, em signos do mesmo elemento.

* Oposição - os planetas envolvidos se encontram em signos de elementos compatíveis, porém nos opostos/complementares.

Exemplos:

 

Sextil Associativo

Sol Júpiter encontram-se a 3º em seus respectivos signos: Aquário e Áries - que pertencem a elementos compatíveis, Ar e Fogo - a 60º de distância um do outro formando um sextil exato. Os dois planetas mantém, portanto, uma relação harmoniosa tanto pelo aspecto de sextil como pelos elementos envolvidos.

Sextil Dissociado

O Sol se encontra a 29º de Capricórnio (signo de Terra) e Júpiter a 3º de Áries (signo de fogo). Como a orbe permitida para um sextil é de até 6º e faltam apenas 4º para que o Sol - que é o mais rápido - alcance o grau 3 de Aquário, temos um sextil. Porém, como os elementos envolvidos a relação estabelecida não será tão harmoniosa quanto se espera de um sextil.

 

Josana Camilo
© Esse texto possui direitos autorais e não deve ser copiado ou reproduzido para fins comerciais, mas se você deseja exibir em seu site ou blog citando a autoria e a fonte, apenas me envie um e-mail avisando. Livre para compartilhamento nas redes sociais.
 
Facebook Share Button